quarta-feira, 16 de abril de 2014

Cuspindo Fogo #1: Remakes

Olá, aventureiros!
Está começando o Cuspindo Fogo, onde compartilho minha opinião sem ninguém ter pedido!

Tenho um grande problema com remakes. São raros os que são bons e dificilmente as obras originais são respeitadas.
Sinto quase um desespero quando vejo um filme que eu adoro ser refeito.
Antigamente eu tinha uma opinião muita clara sobre remakes. Eles deveriam respeitar uma dessas regras:
1ª Só deveriam fazer remakes de filmes ruins ou muito (muito mesmo) antigos. Muito dificilmente você pegará um filme da década de 60 para assistir, mas ainda é possível ver os de 1980 e 1990.
2ª Se for pra fazer um filme outra vez, mude a história. Se for pra fazer com a mesma história, não faça, pois já tem. A não ser que o filme seja realmente muito velho ou muito mal feito.

Karate Kid é um clássico e como tal não deveria ser refeito, mas refizeram. Só que mudaram a história, mudaram os personagens, mudaram até o estilo da luta, mas a essência continuou. O novo Karate Kid é um excelente filme e respeita o antigo, tanto que você consegue assistir um sem comparar com o outro.


Guerra dos Mundos é uma adaptação de um livro de H. G. Wells. O primeiro filme é de 1953, ou seja, é realmente muito velho! Os efeitos são medonhos, os discos voadores são pratos presos por barbantes em varetas. O filme é preto e branco.
Veja bem, os efeitos são medonhos hoje, pois em 1954 esse filme ganhou o Oscar de melhores efeitos especiais.
Nesse caso, não vejo problema algum em fazer o remake que infelizmente deixou muito a desejar.


Ainda não estreou mas não sei por que cargas d'água hollywood quis fazer sua versão do filme sul-coreano Oldboy, um dos melhores filmes que já vi na vida. Espero que seja bom, não duvido da capacidade de Spike Lee e Josh Brolin, mas pra que este remake? Pelo trailer fica claro que vão recontar a história mudando apenas detalhes e talvez o final, entretanto o filme original, que é de 2003, ainda é "assistível". Os efeitos são bons, as atuações são magníficas, a direção e o roteiro são ótimas, não é atoa que o filme ganhou o prêmio da escolha do júri do Festival de Cannes, onde o presidente do júri era ninguém menos que Quentin Tarantino. Pra que arriscar e fazer este remake? O trailer me deixou ansioso e espero um filme não no mesmo nível, mas melhor que o original, senão será um filme sem propósito.


Robocop é outro remake desnecessário. A história de Alex Murphy não precisava ser recontada. O Robocop virou uma super-máquina Hi-Tech perdendo toda a magia que tinha na versão original. Não estou dizendo que é um filme ruim não, José Padilha mandou muito bem, mas não é nada demais, ao contrário do original.


A Mosca de 1986 foi um remake de A Mosca da Cabeça Branca de 1958. É o mesmo filme mas contado de forma diferente. O remake é muito bom, tendo ganhado vários prêmios e indicações.

O Vingador do Futuro é um que, assim como Karate Kid, tentou pegar a essência de um filme e colocá-la em uma história parecida. Não estou tão certo sobre a qualidade do original, mas o remake foi um fiasco.
Filme como esses são chamados de reboot, e não remake, mas pra mim tudo se encaixa no mesmo perfil.

Os Infiltrados de 2008 esta no meu top 10 de melhores filmes e é um remake de um filme de Hong Kong de 2002. Não posso comparar o remake com o original pois não o assisti. Independente de ser um remake ou não, Os Infiltrados é um filmão baseado no chinês Conflitos Internos e uma aula de como um filme deve ser.

Django Livre é outro exemplo de como um remake deve ser. O original, de 1966, é um filme italiano em que Django é um vagabundo que arrasta um caixão que esconde uma metralhadora. Ele resgata uma jovem mulher, María, de ser assassinado por bandidos liderados pelo Major Jackson, um homem de quem Django está buscando vingar-se pelo assassinato de sua esposa.
O remake é um filme de tirar o chapéu. É uma nova história, com novas abordagens e tem como base um filme muito antigo.


Vanilla Sky é um filme muito bem produzido e com ótimas atuações. Acontece que simplesmente pegaram um bom e elogiado filme de 1997, Abre los Ojos, e refizeram. A própria Penélope Cruz interpreta o mesmo papel em ambos os filmes. É praticamente a mesma coisa, então Vanilla Sky não merece destaque, sendo apenas um filme desnecessário.

Nem vou comentar Conan, pois não gosto do original, mas pelo que pude notar os fãs não apreciaram o remake.

Outro sem comentários é Psicose. Alguém realmente teve a brilhante ideia: "Psicose é um bom filme, que fez grande sucesso e se tornou um clássico! Vou refazer! O pessoal vai adorar..." Ah, para com isso!

Enfim, acho que hoje minha opinião mudou só um pouco em relação ao que eu disse no início do post. Hoje só digo uma coisa sobre remakes: Não façam. Por Favor.
Se forem fazer, tomem muito cuidado. Peguem filmes sem muita expressão ou realmente antigos e o principal: Respeitem o original e seus fãs.
Não temos muito bons exemplos de remakes, então pra que arriscar? Produtores hollywoodianos, eu sei que vocês leem este blog, então, por favor, recompensem e invistam na originalidade de seus criadores e roteiristas. Pra que refazer um clássico quando você pode criar um?

Se gostou, espalhe pelas redes sociais e recomende a seus amigos, caro navegante!
Aproveite e curta nossa recém-criada página no facebook!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

  1. Os Infiltrados é um remake bom, mas Conflitos Internos é de tirar o chapéu, muito superior pela atuação dos atores e pelo roteiro bem construido, original e surpreendente. Não foi a toa que o diretor Martin Scorcese o reproduziu em Hollywood. Quem não viu e tiver curiosidade digo que vale a pena ver a trama original, foi dirigido pelo diretor chinês Wai Keung Lau.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola!
      Muito obrigado pelo comentário!
      Pois é, eu vi o trailer me pareceu muito bom mesmo!!!
      ;)

      Excluir

Faça um blogueiro feliz deixando seu comentário!
Obrigado pela visita, volte sempre!
Caso tenha um blog, deixe o link para que eu retribua a visita!