quarta-feira, 14 de maio de 2014

Cuspindo Fogo #2: Música

Olá, aventureiros!
Hoje temos Cuspindo Fogo, onde exponho minha opinião sem ninguém ter pedido!
Vamos bater um papo sobre música!

Uma das coisas que eu mais faço no meu dia-a-dia é ouvir música. Sério, pra qualquer lugar que eu vou meu fone vem junto. Veja bem, eu gosto de música, mas não de qualquer música. Sempre escutei músicas internacionais por causa da melodia e as nacionais por causa do ritmo e da letra. Gosto de me identificar com a música. É por isso e por outras que eu não escuto o que faz sucesso no Brasil.
Além de ouvir, gosto de interpretar as letras das músicas nacionais. Gosto de entender o que o cantor quis dizer. As vezes, fico abismado com o descaso que as pessoas fazem com as músicas e seus intérpretes. Muitos por ai cantam Legião Urbana, mas não entendem de fato o que estão cantando. E é mais ou menos isso que eu gostaria de falar hoje.

Esses dias eu estava conversando com uma amiga sobre músicas e deu-se o seguinte:
"- Ah, agora estou ouvindo Camila, Camila, do Nenhum de Nós!
- Adoro essa música, tão linda
- Linda e triste
- Por que triste?"
Caso você nunca tenha ouvido a música, assim que VOLTAR DE MARTE, ESCUTE-A!!!
É uma música sobre uma garota que sofria abusos, e o grupo de amigos nada fazia por serem jovens e se sentirem impotentes. A letra é mais que óbvia, mas ainda necessita de explicação.


Tem uma música que eu adoro, que é a Veraneio Vascaína, do Legião Urbana/Aborto Elétrico. Sempre tive dificuldade de entender essa música, até que descobri que veraneio era um carro usado pelo polícia. Aí tudo fez sentido. Veraneio era o carro e vascaína era a cor.
"(...)
Se eles vêm com fogo em cima, é melhor sair da frente
Tanto faz, ninguém se importa se você é inocente
Com uma arma na mão eu boto fogo no país
E não vai ter problema, eu sei, estou do lado da lei

Cuidado, pessoal, lá vem vindo a veraneio
Toda pintada de preto, branco, cinza e vermelho
Com números do lado, dentro dois ou três tarados
Assassinos armados, uniformizados
(...)"
Uma música simples com uma imensa crítica a polícia.

Acredito que a era das músicas que diziam alguma coisa chegou ao fim. Agora as pessoas se contentam com "Tchu Tcha Tcha" e "Lepo Lepo". Talvez por essas músicas repetitivas e quase monossilábicas ser fácil de entender. Qualquer um pode ver claramente a alusão ao sexo, seja na letra ou nas danças. Agora, a poesia em dizer as coisas acabou, já que ninguém mais quer pensar.
Eu lembro uma vez, na época da faculdade, que estávamos cantando enquanto estudávamos (pois é) e eu perguntei se todos entendiam o último verso de "Há Tempos", "Lá em casa tem um poço, mas a água é muita limpa" e ninguém sabia. Daí eu respondi, falando sobre a vida de Renato Russo e sua família puritana, que queria um filho comum, com um diploma e um emprego num escritório, não um louco, homossexual e músico. "Lá em casa tem um poço, mas a água é muita limpa". Em uníssono, todos fizeram: "Huuummm!!!". Pela cara deles foi como um sol que surge iluminando um dia nublado.

Veja bem, não estou dizendo que não deva existir as músicas destinadas a diversão, para que você vá na balada, tome um whiskey com Red Bull e dance o Show das Poderosas, ou faça um quadradinho de oito. (Não estou dizendo, mas até acho isso aí)
Só não entendo porque tocar na rádio. Porque você, em sua casa, entra no youtube e fica ouvindo essas coisas. Porque há pessoas que veneram tanto isso.
Eu gosto de um banda alemã chamada Rammstein. Alemã. Eu não entendo bulhufas do que eles cantam, mas a sonoridade é agradabilíssima. Fico ouvindo as guitarras, o baixo, a bateria, a sonoridade do vocal e até os efeitinhos de teclado. Por isso que concordo na existência de músicas mesmo sem profundidade nas letras. Veja bem, gosto de ouvir a introdução, os solos, os riffs. A música. Dificilmente ouve-se algo bom e bem desenvolvido nessas coisas que tocam no último volume nos carros que passam pela avenida.

Apesar de só ouvir rock, não estou falando apenas sobre isso não. O samba está mais que morto. O rap é só mais do mesmo. A MPB passou por uma reforma, surgiu vários novos músicos, a Maria Gadú fez um super sucesso, mas ninguém fala sobre isso. O sertanejo também morreu. Surgiu o sertanejo universitário, com letras do pré-primário. Nunca fui fã de sertanejo, acho a voz do Zezé Di Camargo estridente e irritante, mas pelo menos o que ele falava fazia sentido. E não era apenas sobre sexo, como o universitário que faz tanto sucesso hoje.
Mas o rock, ah, o rock. Está em estado terminal o pobre coitado. Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Capital Inicial, Camisa de Vênus, Raul Seixas, tantos músicos bons, que marcaram gerações e fazem um sucesso tremendo até hoje não deixaram filhos. O rock está fadado a morrer com eles. Espero que um dia ressurja. É triste dizer, mas o último grande "bum" de músicas que eram quase rock foi o tal do emo. Nem vou falar dos coloridos para não ofender ninguém.
A minha esperança, é que o público cresça e amadureça, para conseguir ver o desastre musical que virou o Brasil. Talvez o mundo, né Michel Teló? (Lembra dele? Suas músicas tocavam até na Alemanha. Suas músicas não, sua música. No singular.)

Achei que a nova safra que não é mais nova, como Detonautas, Pitty, CPM 22, Dead Fish e demais artistas fariam o mesmo sucesso dos anteriores, mas não é o que eu vejo. A Pitty tem letras belíssimas, mas você não as ouvirá na novela. Dificilmente alguma música dessas bandas terá a explosão que teve o Camaro Amarelo. Infelizmente.

Talvez eu tenha divagado um pouco, mas acho que consegui passar a mensagem. Menos Tcherêrêrê e mais Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração...

Para mais Cuspindo Fogo, clique aqui.

Se gostou, espalhe pelas redes sociais e recomende a seus amigos, caro navegante!
Aproveite e curta nossa página no facebook!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

8 comentários:

  1. Kaio, adorei esse post. É isso mesmo que vc disse, o rock morreu, e o que sobrou foi o sertanejo universitário e os funks de duplo sentido. Esses, numa festa ou balada, até dá pra dançar, mas é só isso. Música boa hj em dia é raridade, daquelas que vc põe pra tocar e fica imaginando o q o cara tava pensando qdo escreveu aquela letra. Não temos mais grandes letristas, e até o Nando Reis que escrevia ótimas músicas parece que perdeu o jeito, Enfim, o negócio é curtir o melhor do passado e torcer para que o futuro seja menos nebuloso.

    http://seiqueeusei.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Joana!
      Fico muitíssimo feliz que tenha gostado!
      Eu fico pensando aqui e ainda acredito que as boas músicas irão voltar. Sempre há oscilações no mundo da música, mas deve acabar voltando.
      Enquanto isso, vamos ouvindo o passado!

      ;)

      Excluir
  2. Olá Kaio!
    poxa, eu adoro analisar letras de músicas, tanto que uma das minhas músicas favoritas é favorita justamente pela letra, chama-se O Velho e o Moço, do Los Hermanos.
    É triste ver a decadência em que o rock'n roll se encontra nos tempos atuais :/ mas acho q do mesmo jeito que existe coisa muito ruim tocando nas rádios, existem coisas MUITO boas rolando pela internet... e só hahaha. Não tenho esperanças de ver algum dia a música das bandas "underground" (leia- se desconhecidas rsrs) que ouço com frequência tocar nas rádios, pq hoje em dia o povo não tá nem aí para letras mesmo...lamentável :/ a que ponto chegamos não é mesmo?
    beeijo!

    Carol P.
    http://draamin.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol!
      Sim, viva a internet!!!
      Hoje ela substitui não apenas a rádio, mas a tv, o jornal, revistas e qualquer mídia meia-boca por aí.
      Graças a internet conheço boas bandas no cenário brasileiro. Infelizmente, algumas tem um destino cruel e acabam. Não muito retorno na internet AINDA. Duas bandas que eu gostava muito, Soulstripper e Ponto Nulo no Céu, acabaram de repente e triste ver isso.
      Enfim, ainda acho que o povo vai se cansar disso e boas coisas virão.
      Ou não.

      Bjo, Carol!!
      ;)

      Excluir
  3. Amei! Parabéns pelo ótimo texto!
    Me identifiquei muito.
    Eu também tenho mania de procurar o significado das letras pelas entrelinhas. Mas como você disse, hoje em dia não existem mais músicas que necessitem de um mínimo esforço pra entender o que está sendo dito. Está tudo muito claro. Muito claro e muito vazio. É triste. :/
    Aproveitei seu post pra ouvir Camila, Camila bem altão! haha

    Beijoo
    Lu
    http://sem-spoiler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Luciana!
      Fico muito contente que tenha gostado!
      Você disse bem, está tudo muito claro e muito vazio, infelizmente. =/

      haha, eu também parei de escrever o post no meio para ouvir Camila, Camila!!!

      ;)

      Excluir
  4. Yey, Kaio! Bate aqui o/
    Adorei a postagem, já começou bem pelo nome da coluna! E só foi melhorando no conteúdo. Não sou muito de música (gosto mais das instrumentais), e talvez seja exatamente por isso que você disse, as letras estão se perdendo, seja aqui no Brasil ou lá fora :( Mas, vou ficar sempre esperando por dias melhores!
    Abraços!

    www.bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. \o
      Muito obrigado, Tici!!!!
      Sim, esperaremos dias melhores, dias de paz, dias que não deixareeeeemos para trááás!!!!
      Eu também gosto bastante de músicas instrumentais, afinal é aí que o talento é levando em consideração, como tinha que ser em todo resto!

      ;)

      Excluir

Faça um blogueiro feliz deixando seu comentário!
Obrigado pela visita, volte sempre!
Caso tenha um blog, deixe o link para que eu retribua a visita!