terça-feira, 3 de junho de 2014

Livro: O Rei do Inverno - Bernard Cornwell [As Crônicas de Artur]

Olá, aventureiros!
Preparem-se! Formar PAREDE DE ESCUDOS! AGORA!

As Crônicas de Artur - Volume 1: O Rei do Inverno (versão lida):
Título Original: The Winter King
Autor: Bernard Cornwell
Edição: 24
ISBN: 9788501061140
Editora: Record
Ano: 2013
Publicação Original: 1995
Páginas: 546
Tradutor: Alves Calado
Sinopse: O Rei do Inverno conta a mais fiel história de Artur, sem os exageros míticos de outras publicações. A partir de fatos, este romance genial retrata o maior de todos os heróis como um poderoso guerreiro britânico, que luta contra os saxões para manter unida a Britânia, no século V, após a saída dos romanos. "O livro traz religião, política, traição, tudo o que mais me interessa," explica Cornwell, que usa a voz ficcional do soldado raso Derfel para ilustrar a vida de Artur. O valoroso soldado cresce dentro do exército do rei e dentro da narrativa de Corwell até se tornar o melhor amigo e conselheiro de Artur na paz e na guerra.

"Bom. A fúria é muito útil, e a querida Nimue tem talento para isso. Uma das coisas que não suporto nos cristãos é sua admiração pela humildade. Imagine transformar a humildade numa virtude! Humildade! Você consegue imaginar um céu cheio somente de humildes? Que ideia pavorosa! A comida ficaria fria enquanto todo mundo ia passando os pratos uns para os outros. A humildade não é boa Derfel. A raiva e o egoísmo são as qualidades que fazem o mundo marchar." 
- Merlin

Este texto é livre de spoilers!

O Rei do Inverno é o primeiro livro da aclamada trilogia "As Crônicas de Artur". Nele podemos ver os primeiros passos de Artur para se tornar o lendário guerreiro, sob o ponto de visto do monge Derfel (pronúncia-se Dervel), que quando mais jovem era um dos grandes guerreiros de Artur.

Bernard Cornwell transforma a lenda de Artur em algo mais plausível, colocando as grandes magias dos druidas, como Merlin, em algo mais sútil, além de ter usado fontes históricas sobre Artur, logo, aqui não vemos Camelot como nas famosas histórias, nem Excalibur sendo retirada da pedra nos mostrando o verdadeiro rei. Pode parecer uma crítica, mas não é. Muito pelo contrário, é extraordinário ver Artur, Morgana, Uther Pendragon, Galahad, Merlin e tantos outros lendários em um cenário totalmente real, usando a antiga geografia europeia.

Na trama, Derfel, já velho, começa a documentar as histórias de Artur, de como "verdadeiramente" aconteceu , já que os poetas e bardos moldaram e transformaram a história em lenda. Derfel viu as batalhas de perto, viveu ao lado dos guerreiros e dos druidas e tudo é detalhadamente registrado.
O amor de Artur por Guinevere, as lutas e batalhas entre os povos da britânia, as guerras contra os invasores saxões e a diversificação das religiões e crenças da britânia pós-romana.

A escrita de Cornwell é incrível. Confesso que o começo me deixou empertigado, pois Artur e seus cavaleiros demoram a aparecer assim como as grandes batalhas. O que vemos é Derfel e Nimue, moradores do Tor, a casa de Merlin. A relação de Derfel e Nimue é levemente parecida com a de Artur e Merlin; um é o guerreiro e o outro o sábio, ambos com o destinos ligados.
Um pouco depois do começo, a história engrena e aí fica difícil largar o livro. Tudo é maravilhosamente escrito, as batalhas, os diálogos entre os personagens e os do narrador com o leitor.
O narrador, que é Derfel, as vezes chega a brincar com o leitor, contando o que vai acontecer no final do capítulo logo no início, te fazendo se remexer na cadeira querendo saber como raios isso vai acontecer.

A magia aqui existe, ou talvez não. Há feitiços, objetos mágicos, feiticeiros, crenças e religião, mas nada é muito pomposo. Talvez os feiticeiros sejam, mas isso não significa que a magia é real.
Merlin é considerado o druida mais poderoso vivo e muitos tremem apenas de estar ao seu lado. Tão poderoso que não sente remorso em fazer chacota de um rei. Mas não há bola de fogo sendo lançada de um cajado, não há raios e trovões apenas com o um movimento manual. Fica a critério do leitor se o que aconteceu foi magia ou apenas sorte ou coincidência. Um druida faz uma mágica parede entre o exército atacante e o defensor. O atacante não passa por lá, mas será resultado da magia em si ou por medo do exercito? Eles não passam por lá pois não conseguem ou não querem arriscar?
Ficou bem legal assim, a magia existe, mas porque cremos que ela existe.

O final também é impressionante. Me senti em um campo de batalha. Juro que limpei meus óculos algumas vezes devido aos espirros de sangue que voavam das páginas. E o bom é que o fim do livro é o fim daquela história, não é uma única história que se arrasta pela trilogia inteira, ainda que os acontecimentos deste livro são a base para os acontecimentos dos próximos livros.

Acredito que o único ponto negativo foi a edição lida. As páginas são transparentes, sendo possível ver as letras da página de trás. Além disso, há alguns pequenos erros, como 'mais' no lugar de 'mas', 'Arthur' no lugar de 'Artur', ausência de vírgulas e outros pequenos detalhes, mas nada de muito grave.
Em compensação possui uma bela capa com abas.

Uma coisa muito bacana é a presença de um glossário sobre os personagens no inicio do livro, bem como outro glossário com os lugares citados na trama com seus respectivos nomes hoje. Há também um pequeno mapa da britânia.

O que eu estranhei foi a ausência dos grandes cavaleiros. Onde estavam Dagonet, Gawain, Kay e tantos outros? Com o passar da trama me toquei que vários desses personagens foram realocados, não os fazendo, necessariamente, guerreiros de Artur. Dagonet, por exemplo, é apenas mencionado como um dos cavaleiros de Artur, enquanto que Galahad é um príncipe que só chega às batalhas depois de Artur ganhar fama. Bors é um dos guerreiros de Bernoic (território francês, atualmente), Leodegan é pai de Guinevere, assim como nas lendas, mas não é um cavaleiro. Enfim, alguns estão presentes e confesso que gostei do rearranjo. Ficou algo mais plausível de aceitar já que o livro não é apenas sobre guerras e é apenas nas guerras que os cavaleiros aparecem.

Em suma, O Rei do Inverno mostra um Artur incrível, mas não lendário. Sem távola redonda mas com batalhas, druidas e um certo romance. Personagens carismáticos, história bem construídas e uma ótima narrativa. Tá esperando o que para ler?

OS DRAGÕES DE FOGO RECOMENDA O REI DO INVERNO!

Vamos a nota, de 0 a 5:

Personagens: Excelentes. Magistralmente caracterizados e com muito carisma. Um ponto!

História: É como se as lendas tivessem se tornado real. Um ponto!

Escrita: Muito boa, te faz embarcar na idade média com maestria. Um ponto!

Início: Não é ruim, mas não me empolgou muito. Acredito que fui com a "vibe" errada, achando que o livro ia ser sobre Artur do início ao fim, já começando com o frenesi total. Meio ponto!

Desfecho: Excelente! Um ponto!

Portanto, 4,5 Canecas de Hidromel para O Rei do Inverno!!!

Acompanhe As Crônicas de Artur:
Livro 1 - O Rei do Inverno
Livro 2 - O Inimigo de Deus
Livro 3 - Excalibur

Para mais livros, clique aqui.

Não esqueça de compartilhar este blog com vossos amigos, nobre navegante!
Aproveite e curta nossa página no facebook!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

12 comentários:

  1. ai meu Deus! finalmente a resenha q eu tanto esperava! hahaha lembra q eu falei q havia ouvido um nerdcast e o pessoal falou mto bem das crônicas de arthur? desde então fiquei bem curiosa :)
    eu te entendo sobre ir com a "vibe" errada :/ eu sempre faço isso e acabo desanimada no inicio...mas as coisas sempre tender a melhorar. Bom, depois dessa resenha e um "Tá esperando o que para ler?" vejo que terei que dar um jeito de encaixar como meta de leitura u.u rsrs
    beeijo!

    Blog Dramin

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demorou mas saiu, Carol!!!
      Lembro sim, foi num nerdcast que a curiosidade bateu aqui também!
      Pois leia, Carol, mesmo com a vibe errada o livro virou favorito!
      Bjo!

      Excluir
  2. Muito boa a sua resenha, Kaio, bem explicativa do que se trata o livro, pois muita gente pode pegar para ler achando que verá mais uma versão igual a todas as outras do Rei Artur, mas é longe disso rs
    Também achei esse início meio parado, e eu ainda estava influenciada pelo o que eu tinha lido em "As Brumas de Avalon", então quando li o que o Corwell tinha feito com a Morgana, quis chorar na hora rs E o Merlin? Que figura que é o Merlin; adorei ele mesmo quando não queria adorar! <3
    Vou tratar de pegar os próximos para ler! o/
    Beijos!

    bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tici!
      Pois é, essa versão de Cornwell é diferente de tudo que eu já vi em relação ao Rei Artur!

      Ah, o Merlin! Eu adorei! E não é nada do que eu esperava, mas no fim acabou sendo melhor que as minhas expectativas!

      Leia todos para ontem! Já os li, e logo terá posts deles, e já te adianto: Melhor série que já li. O final me fez suar pelos olhos de forma hétero!
      Bjo!
      =D

      Excluir
  3. Eu tbm ouvi falar sobre esse livro pela primeira vez no Nerdcast, e, apesar de não ser ainda um gênero que aprecio, fiquei interessada em ler. Sua resenha ficou ótima e passou uma noção bem interessante do que podemos encontrar na estória, acho que não chegar com a vibe errada graças a sua resenha, rsrs.
    Quero ler esse livro e me inteirar mais da história de Arthur, da qual não conheço quase nada (que vergonha!).
    Bjos!

    http://seiqueeusei.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Joana! Não sou lá muito bom em escrever, mas tento!
      Olha, se não faz muito seu estilo, talvez você não goste, é muita informação, muitos personagens muitos acontecimentos, mas vale a pena dar uma chance!
      As lendas arturianas como em outros livros ou nos mais variados filmes são bem diferentes desse livro, mas, pra mim, a versão de Cornwell parrou a ser a verdadeira! É muito bom esse livro!
      Bjo!
      =D

      Excluir
  4. E aí Kaio. Eu tenho eu este livro, na verdade toda a trilogia e ainda não li, porém sua resenha me deu aquela vontade... Histórias de cavalaria são demais.
    Parabéns pela resenha.
    Abraços

    estantejovem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Paulo!
      Pois leia mesmo, é divino!
      Obrigado!
      =D

      Excluir
  5. Sua resenha ficou muito boa, parabéns. Acabei ansiosa para ler esse livro. Já li toda a coleção das Brumas de Avalon e realmente há muita magia. Seria interessante ler uma versão mais ''real''.
    Visite meu blog.http://sweetssbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Muito obrigado!
      Então recomendo que leia mesmo, ficou muito bacana a forma como Cornwell colocou a magia nesse mundo!
      Sim sim, vou lá conhecer! ^^
      =D

      Excluir
  6. Só consegui ler esse livro da trilogia, algumas cenas são difíceis de digerir. rs
    Mas Bernard sempre terá um lugarzinho especial no meu coração de leitora por causa da Trilogia A Busca do Graal. Já que você gostou das cenas de batalha, não deixe de ler esses livros, na minha opinião, elas são ainda melhores.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Achei a série tão fenomenal!
      Já estão na minha lista!!!
      Bjo!
      =D

      Excluir

Faça um blogueiro feliz deixando seu comentário!
Obrigado pela visita, volte sempre!
Caso tenha um blog, deixe o link para que eu retribua a visita!